sexta-feira, 23 de julho de 2010

L. O. S. E. R


Dia destes comparei a faculdade com um jogo de vídeogame para uma das minhas irmãs e ela achou engraçado. Mas não faço essa comparação somente com a faculdade não, costumo encarar toda a vida como um jogo de consoles, cheio de obstáculos, fases e chefes de fases a serem vencidos, cada vez aumentando o grau de dificuldade.

Nunca achei que minha vida fosse fácil, aliás, reconheço minha total fraqueza para tomar decisões ou correr atrás de meus objetivos. E aquela célebre frase "Penso, logo desisto" já havia sido utilizada por mim desde os idos de 1996, quando na sexta série pichei quase todas as paredes da sala de aula com tais dizeres. Sem falar na filosofia Pitty de "o fracasso lhe subiu a cabeça" que venho seguindo... Sou exatamente esse tipo de pessoa que de tão acostumada a falhar, a se dar mal, já projeta esse pensamento negativo para o futuro. E não adianta dirigirem-se a mim dizendo que não posso agir/pensar assim. É inevitável! É a minha natureza. Não que eu não tenha tentado mudar, muito antes pelo contrário, mas é que de tanto acreditar em vão, desisti... é simplesmente algo que me precede.

Acho que só Deus sabe como enfrentei essas últimas três semanas de frustração sobre frustação. De expectativas que criei em vários níveis e nenhuma se concretizou. Nenhuma! Sem mencionar a indecisão. Arriscar ou não arriscar? O que arriscar? Por que arriscar? Vale a pena? O que ganho? O que perco? ((será que alguém precisa saber???)) Tudo isso aliado a inúmeros obstáculos e imposições que quase dei um nó no cérebro de tanto pensar. Pedi opinião a todo mundo, sobrou até pra gatinha Luna da minha irmã... ((sério!)) Mas a decisão final só cabia a mim. Corri atrás e olha só! Mais obstáculos e mais imposições e consequentemente mais frustração!

Meu maior medo agora é me tornar uma pessoa totalmente frustrada.
Será que o fracasso realmente me subiu a cabeça???

terça-feira, 20 de julho de 2010

Amizade!!! Feliz dia do amigo!!!





Confesso que duvidei. Duvidei muito da existência de coisa deste tipo!
Ainda bem que sempre me mostram que estou errada.
Mas foi preciso muita insistência, de minha parte, em me convencer a aceitar pessoas tão maravilhosas adentrando meu mundinho estranho. Não por medo das pessoas, mas por medo de eu mesma decepcioná-las. Espero estar cumprindo meu papel...
Amo muito vocês, MEUS AMIGOS!
Obrigada por me fazerem feliz, muito feliz!

BJu!


terça-feira, 13 de julho de 2010

Os verdadeiros magníficos bastardos


Em pleno dia 13 de julho, dia mundial do rock, não poderia deixar de homenagear minha banda favorita: Faith No More. Este texto foi escrito há cerca de 3, 4 anos. Um dos tesouros escondidos que encontrei na minha gaveta. Enjoy!

O Faith No More nasceu em São Francisco, Califórnia, nos idos da década de 80.
Contavam com Mike "Puffy" Bordin na bateria, no baixo estava Billy Gould, na guitarra, Jim Martin e nos teclados, Roddy Bottum. Nos vocais, ninguém fixo, apenas algumas participações especiais como uma tal Courtney Love ((que num futuro próximo viria a se tornar uma famosa viúva)). Até que efetivaram um vocalista chamado Chuck Mosely ((que gravou 2 discos a frente da banda)). Neste início do FNM, a plateia dos shows era formada por bêbados e um eventual-e não menos bêbado-James Hetfield do Metallica. Depois de lançarem Introduce Yourself e We Care a Lot, Chuck deixou a banda. Para ocupar seu lugar foi cogitada a inclusão de ninguém menos que Chris Cornell ((a época ainda não estava no Soundgarden e nem sonhava com Audioslave)), pois o outro rapaz escalado estava em dúvida se devia ou não abandonar sua banda original, o Mr. Bungle.
Esse rapaz em questão era Mike Patton, um moleque de 20 e poucos anos que só queria se divertir. E não é que o rapaz topou?! Mike escreveu sozinho as letras de The Real Thing ((o 3º da banda e seu 1º como vocalista)) em uma semana. Depois de lançar o álbum, o sucesso sorriu feliz para aquela turma. Em 1991 a banda foi convidada - dizem que por influência de Axl Rose - para o Rock In Rio II.
Pois é, e a galera toda que foi ao evento mais interessada em ver as estripulias de Prince, se surpreendeu com aquele bando de malucos e suas "músicas atrapalhadas", uma mistura de metal com funk e vocais de rap. De alguma forma tudo aquilo fez sentido e agradou a brasileirada. Tanto que eles voltaram ao Brasil para uma megaturnê cobrindo quase todo o território nacional ((inclusive Mogi das Cruzes)). O 2ª álbum de Patton e o 4º da banda, Angel Dust foi e ainda é uma grande influência, principalmente para o famigerado Nu-metal ((Korn, Limp Bizkit, Linkin Park, Marylin Manson, Deftones, Papa Roach e tantos outros por aí...)) No entando, mesmo apesar de celebrado, o álbum não foi sucesso de crítica e nem de público e ainda culminou na saída do guitarrista Jim Martin, que confessou, ainda durante as gravações, que enquanto seus colegas de banda ficavam experimentando e criando, ele tinha uma dificuldade tremenda de encaixar sua guitarra naquilo tudo. O Faith No More ainda lançou mais 2 álbuns de estúdio, o King For a Day, Fool For a Life Time ((que incluía uma música com versos em português com o sugestivo nome de "Caralho Voador")) e o Album Of The Year.
Em 1998 a banda encerrou suas atividades com as suspeitas de que os motivos para tanto foram os outros projetos que os membros da banda ainda mantinham. Patton, por exemplo, nunca deixou o Mr. Bungle e ainda criou o Fantomas e vive "parindo" projetos por aí. Billy Gould também tocava na banda de metalcore mexicana Brujeria, Roddy tinha/tem uma banda indie chamada Imperial Teen e Bordin sempre fora o baterista dos sonhos de todas as bandas, sendo chamado inclusive para substituir John Bonham numa possível volta do Led Zeppelin, mas acabou indo tocar na banda de Ozzy Osbourne.
A banda acabou, mas suas influências permanecem e os brasileiros continuam sendo os maiores fãs. Recentemente fora cogitado uma volta do FNM, mas ficou tudo só na especulação. Mas quem é fã de verdade sabe que o Faith No More é Evermore.

Coments: como já foi dito, esse texto foi escrito anteriormente a volta da banda. Sim!!! Faith No More se reuniu e tocou a exatamente 1 ano atrás no Download Festival. Vieram ao Brasil ao final do ano para dar seguimento a turnê The Second Coming que eu inclusive fui!!! ((e postei sobre neste humilde blog!!))

BJu pra quem rock!!! \m/

domingo, 11 de julho de 2010

??????????????? PQP Juliana!


Vou mudar meu nome! Juliana de Fátima Ironia ou ainda Ironia de Faria!
Puta que pariu! Tem coisas que só acontecem comigo!
Sabe aquelas coisas bizarras que parecem só passíveis de ocorrer nos Friends ou Simpsons? Naaaadaaa! Acontecem comigo o tempo todo! Impressionante!

Minha vida é pura ironia!

quarta-feira, 7 de julho de 2010

O que estou ouvindo?


Mas uma vez, chupinhado do http://menina-me-nina.blogspot.com/


Não sai do meu MP7, nem do meu som, nem do PC o Chiaroscuro da Pitty. Eu sei, já tem um ano do lançamento do álbum, mas após vários shows ((sim, fiquei conhecendo as músicas no palco - Awesome!)) decidi correr atrás do rebento da baiana e não é que viciei? Valeu, irmão!

Então vamos às famosas perguntinhas:

- O que você sente/sentiu quando escutou? Nossa! A Pitty fez um álbum inteiro pensando em mim! Que moral!

- O que você imagina quando escuta? Minha vida passa diante dos meus olhos, exatamente como em um filme. Trapézio tem tudo a ver comigo, unindo amor, bebedeira, ressaca ((moral ou não)), sensação de estar nas alturas sem saber como será a queda...

- Recomenda? Sim. Não só por ser Pitty, aliás, justamente por ser! Acho que o Chiaroscuro tira essa imagem dela de ídolo patrocinado pela MTv. Tem algo a mais do que música para passas no Top 10/Disk. Tem maturidade ali, como diria a própria em Desconstruindo Amélia: "hoje aos 30 é melhor que aos 18, nem Balzac poderia prever!"

BJu!


sábado, 3 de julho de 2010

Cartilha da vida



Originalmente postado em 05/03/2008

Sabe o que seria bom? Se tivesse uma cartilha ensinando a gente a viver...

Não sei se já falei isso aqui, mas que é verdade, é! É tão difícil viver, a vida é tão cheia de dúvidas, é tanta pressão que enlouquecer parece tão fácil!

As pessoas dizem "você tem que arriscar", mas e o medo de não dar certo, de se machucar? E não sei quanto aos outros, mas eu sempre me ferro. Sempre! E sempre por minha culpa! O que prova que o problema está em mim.

Mas mesmo assim, seria tão bom poder encontrar respostas para algumas questões.

Conselhos: talvez eles pudessem até me ajudar, mas não tenho encontrado ninguém pra me aconselhar ultimamente ((ou não tenho consigo procurar alguém para me aconselhar)).

Mas o fato é que estou cheia de "caraminholas" na cabeça, cansada e triste.

Querendo uma vida nova, mas que venha com manual desta vez!

BJu!

Coments: Continuo querendo a facilidade de uma cartilha/manual de instruções pra viver a vida, pois ela continua cheia de dúvidas e pressões. Lembrei deste post diante de uma conversa com um certo rapaz que dizia que temos que arriscar e assumir nossos próprios riscos. Concordo plenamente, só que descobri que sou incapaz de fazê-lo, não só por preguiça, mas porque me descobri uma pessoa incapaz mesmo. Não sei dizer o que acontece... E quanto ao "medo", esse é constante e real: eu só me fodo nessa merda!
Quanto as respostas para questões, essas já me acostumei também: nunca saberei. E os conselhos? Se fossem bons de verdade, seriam cobrados. Mas o que é fato é que, conselhos e opiniões só são bons quando SOLICITADOS. Até o rapaz que me fez relembrar este post me "enervou" justamente por ter opinião demais...
As caraminholas estão aí, mais presentes do que nunca, mas ao menos sou capaz de assumir que se elas existem nesse momento são por minha culpa.

Epic