segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Conto-parte final


Passaram-se 6 longos anos. A vida aconteceu de lá e de cá. Um belo dia, sentada em um restaurante, sozinha, aguardava a chegada de alguém quando viu uma figura familiar entrar pela porta. Seu coração disparou e ela entendeu: era ele.

Não havia mudado muito desde a última vez em que se viram. Apenas um ar de mais responsável, dono de si. E isso a atraiu. Não sabia o que fazer. Vontade de ir até ele e conversar. Sentiu seu rosto esquentar e ficar vermelho. Respirou fundo.

Foi num susto que atendeu o celular que tocara alto ecoando pelo restaurante. Todos olharam, inclusive ele. Mas ela não viu, pois se preocupou em atender de prontidão ao toque barulhento.

Ele logo a reconheceu. Sentiu o sangue disparar nas veias. Em segundos lembrou de todos os bons momentos juntos. Ouviu a voz fina atender ao telefone e ficar um pouco melancólica com o que ouvia do outro lado da linha. A viu desligar a ligação e colocar o aparelho sobre a mesa e olhá-lo triste.

Sem pensar nem por um segundo, ele se levantou e foi até a mesa onde ela estava. Ela notou a aproximação dele e começou a ficar inquieta. Ele abriu um sorriso, o mais lindo que guardara. Ela retribuiu, tímida.

_Nossa! Quanto tempo, hein?

Ela retribuiu ao sorriso:

_Muito mesmo.- e se levantando para abraçá-lo-Como você está?

_Estou bem. Estou de volta a cidade.

_Sério? Desde quando?

_Já tem uns meses. Estou me readaptando. E você? Casou?

Ela baixou a cabeça, triste.

_Alguém tinha que tocar no assunto. -ele concluiu.

_Segundo bolo esta semana. - e apontou o celular sobre a mesa.

_Quer dizer que está disponível agora?

Ela sorriu tímida, e ele sempre expansivo:

_Ok, vamos almoçar juntos então.

Conversaram durante mais de uma hora, colocando, na medida do possível, a conversa em dia. Trocaram telefone e marcaram de se encontrar no final de semana. Ela com medo e ele mal podendo esperar. No dia e horário combinados, se encontraram. Ele estava bem arrumado e cheiroso, ela, mais feminina do que nunca. A conversa rodeou, rodeou, mas chegou aonde deveria.

_Sinto sua falta demais. -disse ele.

Ela ficou em silêncio, fitando o chão até que ele puxou-a para si e a beijou como a muito tempo tinha vontade de fazer. Ela não resistiu ao beijo. Esperou ele terminar, olhou-o bem nos olhos e disse:

_Você me deixou...

_Para com isso! Eu não deixei você. Não era a intenção. Nunca foi. E agora estou de volta e louco pra ficar com você pelo resto da vida!

Ela não soube o que dizer. Ele continuou.

_E não se esqueça nunca, que de todas as vezes que nos separamos, foi você quem se despediu e partiu primeiro. Sempre. Eu sempre vou amar você! Sempre vou querer você. Não imaginei que te encontraria tão cedo e não tive coragem de te procurar. Mas quando te vi naquele restaurante, sabia que era o destino. Não pude evitar. Prometo de fazer eternamente feliz, se você me permitir.

As lágrimas corriam quentes pelo rosto dela. Ela apertou o corpo dele junto ao dela.

_Você tem que me prometer que nunca mais vai me deixar.

_Eu prometo.

Se beijaram mais uma vez, o amor correndo pelo ar. Sensações maravilhosas fluindo de um ao outro quase como magia.

E assim eles ficaram, juntos. Como deveria ser. E estão felizes para sempre!

Fim ((ou o começo de uma outra histstória))!

Pronto gente, chegou ao final de meu conto. Espero que tenham gostado. Queria escrever mais, fazer a história durar mais, mas tive que acabá-lo de forma repentina com medo de demorar muito e não ter tempo de escrever o final. Mas valeu a experiência. BJu!


Epic