quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

E se o mundo acabasse mesmo amanhã?

"Fim de noite, fim do mundo lá no fundo do conhaque."
Humberto Gessinger


Com tanta falação sobre o fim do mundo, impossível não entrar nesse disse-me-disse. Então, entre um devaneio e outro me pus a pensar no que eu perderia ou ganharia com o fim do mundo. Se é verdade que existem lados positivo e negativo para tudo, é hora de praticar!

A pior coisa negativa é que simplesmente não poderei  nunca mais fazer nada, nem boa, nem ruim, não vou mais ver quem gosto (ou não), fazer o que gosto (ou não), bom ao menos não neste plano e... sei lá se tem outro plano também, vai saber... 

De positivo, posso dizer que não vou mais sentir esse calor horrendo, outra coisa, já me formei mesmo, já passei pela temível banca com nota máxima, eu quero mais é que se f%@# essa m%#@* toda! E isso quer dizer também, que, o mundo acabando, não terei que enfrentar o saturado mercado de trabalho no ramo jornalístico... Mas também não terei a chance de empreender com a PLURAL ((#xatiada!!!)). 

Corre o risco do mundo acabar sem que eu dê um abraço nas minhas irmãs :(. Corre o risco de eu não dar nenhum dos presentes de Natal que comprei com o maior afinco! No entanto, não terei mais que me preocupar com meu constante aumento de peso ou em criar vergonha na cara e fazer uma academia... ou entrar numa auto-escola... 

Mas, aí eu também não mais rirei, me divertirei, lerei Bizz velha, beijarei meu amor, reclamarei da vida que é boa demais pra mim... É difícil esse negócio de fim do mundo!!! Pra começar, a gente nem sabe como vai acabar (fogo? água? bomba atômica? terremoto?) e não sabem nem o que sentir com relação a isso. Porém,  uma coisa é certa. Amanhã o facebook estará infestado de coisas neste sentido de fim do mundo sem sentido...

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

My Way



My Way (Meu jeito)

E agora o fim está próximo
E portanto encaro o desafio final
Meu amigo, direi claramente
Irei expor o meu caso do qual estou certo
Eu tenho vivido uma vida completa
Viajei por cada e todas as rodovias
E mais, muito mais que isso
Eu o fiz do meu jeito
Arrependimentos, eu tive alguns
Mas, aí, novamente, pouquíssimos para mencionar
Eu fiz o que eu devia ter feito
E passei por tudo consciente, sem exceção
Eu planejei cada caminho do mapa
Cada passo, cuidadosamente, no correr do atalho
E mais, muito mais que isso
Eu o fiz do meu jeito
Sim, em certos momentos, tenho certeza que tu sabias
Que eu mordia mais do que eu podia mastigar
Todavia fora tudo apenas quando restavam dúvidas
Eu engolia e cuspia fora
Eu enfrentei de tudo e de pé, firme, continuei
E fiz tudo do meu jeito
Eu já amei, ri e chorei
Cometi minhas falhas, tive minha parte nas derrotas
E agora, conforme as lágrimas escorrem
Eu acho tudo tão divertido
E pensar que eu fiz tudo isso
E devo dizer, sem muita timidez
Ah não, ah não, não eu
Eu fiz tudo do meu jeito
E para que serve um homem, o que ele possui?
Se não ele mesmo, então, ele não tem nada
Para dizer as coisas que ele sente de verdade
E não as palavras de alguém de joelhos
Os registros mostram, eu recebi as pancadas
E fiz tudo do meu jeito.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Odeio despedidas...

"Não olhe pra trás (odeio despedidas)
Diga até mais!
Mesmo se for adeus"

Humberto Gessinger


Foto: Marina Alves

Exatamente como discutido em aula, a nostalgia é inerente ao ser-humano. Fim, ou mesmo antes dele e já estamos nostálgicos. Última aula de Oficina de Jornalismo e algum chororô, mesmo que discreto, mas houve. Acho que agora a "ficha caiu". Estou me formando! Não haverá mais trabalhos, aulas, colegas, reclamações, dores de cabeça...

Pera! Afinal de contas, você tá achando ruim ou bom? EU NÃO SEI! O Facebook pergunta no que eu estou pensando e eu respondo: EU NÃO SEI! Não sei de mais nada, não sei como será daqui pra frente. Foram 4 anos da minha vida experimentando coisas que nunca tinha experimentado que talvez nunca tivesse a oportunidade. Fiz inimigos, fiz amigos e agora não farei mais nada. Acabou. Vazio. 

Melodramático? Exagerado? Talvez... o pouco que sei é que de uns quatro meses para cá, tudo o que tenho são dúvidas. Escolhi o caminho certo? A profissão certa? Hoje, durante uma aula esclarecedora (sim!) da professora Gerlice, ao menos a uma conclusão eu cheguei: era isso que eu queria mesmo! E consegui! É meio masoquista a "ingrata" profissão de jornalismo? Sou burra em querer trabalhar seguindo escalas com direito a plantão e receber bem menos do que me é de direito? Sou, mas foi o que escolhi. Sinceramente, do fundo do meu coração partido, não me vejo sendo engenheira, médica, advogada, dona de casa, diarista ou gari. Nem mesmo milionária por ter ganho sozinha na Megasena acumulada. 

Foram 4 anos sofridos, comendo o "pão que o Palito amassou", trabalhando de manhã, estagiando à tarde, estudando à noite e indo em casa só para dormir. 4 anos em que fiquei dias sem poder almoçar, tempos sem poder fazer a unha do pé ou passar esmalte nas unhas da mão. E agora, desempregada! Tipo, tá foda! Não tão me querendo nem para escrever cartão de Natal! Mas ainda assim, foi a profissão que escolhi, a profissão para qual eu estudei e por mais negro que pareça o futuro, há que se acreditar que o melhor vai acontecer, não é mesmo?! Afinal, quantas vezes já duvidei de mim mesma e, ainda assim, contra todas as adversidades, cá estou eu!

E vejo que agora não estarei junto diariamente de quem eu amo muito, e talvez essa seja a parte mais dura, a que leva ao chororô. Entendo que a gente tem que crescer e se tornar cada  vez melhor, mas é difícil a despedida. É tudo tão incerto, é tão triste... Mas é a vida. Quero me formar, vencer mais essa etapa, ser jogada cruelmente no mundo real ((e já estou com os pés lá)), mas ao mesmo tempo... Não tem mais... e eu nem sei o que não terá mais, só sei que não terá... e acabou.

"This is the end, beautiful friend, 
This is the end, my only friend, the end
It hurts to set you free
But you'll never follow me
The end of laughter and soft lies
The end of nights we tired to die
This is the end"

The Doors

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Bom para ambas as partes ((ou partida ao meio))

Eu sou uma pessoa só! Mas me divido em muitas... Acredito que todo ser humano deva ((ou deveria)) ser assim. 
Vou sempre bater na seguinte tecla: se soubéssemos respeitar a maneira de ser dos outros, viveríamos um mundo mais tolerante e, para a utopia das utopias, não haveria guerras ou preconceito. E fim!
Por que não aplicar isso no nosso dia-a-dia? Afinal, eu não concordo nem com metade das coisas que vejo, ouço, respiro. Mas eu tolero, eu relevo, não só para o bem da minha saúde mental, mas também porque cada um tem direito de ser do jeito que é. E fim de novo!
Se tem uma coisa que me orgulho de ser, é essa pessoa que pisa em ovos, que contorna situações, que pensa ((ou tenta)) antes de dizer/fazer alguma coisa. Nem sempre funciona, afinal, me policio ainda mais devido a minha personalidade baseada em meu signo de impulsividade. 
Não estou dizendo para ter sangue de barata, não! Aliás, quem sou eu! Aquela que dizem ter problema de relacionamento, aquela a quem perguntam "Você não disse isso pra ele (a), né?". Sou estourada, digo coisas que quando vi, já saiu. E fim! Mas, pera! São momentos de ira, onde o sangue de barata já derramou bonito. A questão principal que levanto é com relação as pessoas de convivência. E já facilito: se não me acrescenta em nada, muito antes pelo contrário, não convivo! Radical? Talvez... mas para quê insistir em algo que não vai te fazer bem e que, se você pode evitar, para quê procurar briga, encrenca? 
Agora, a coisa muda de figura totalmente quando se trata da questão de convivência. Ok, vocês tem opiniões muito contrárias, mas têm, obrigatoriamente que conviver. Virem-se! E a vida não é assim o tempo todo??? Mas e quando trata-se de ceder por alguém que você gosta? Afinal, relacionamento, dizem, não se baseia em concessões? Pois é! Aí eu acho mais do que importante, é imprescindível saber lidar com as diferenças, seja de quem você ama ou tem apreço, seja com quem a pessoa que você ama também ama. 
Amigos, família, trabalho, tudo aquilo faz parte da vida do outro. Você não tem que concordar com tudo e todos, mas tem que respeitar gostos, cheiros, sons e texturas diferentes. O tempo todo. E fim! 
Principalmente porque não há amor nenhum em pôr amizades e parentesco à prova! Não é justo para quem você ama dividí-lo ainda mais do que ele já se divide. As pessoas têm é que somar. E fim!

terça-feira, 6 de novembro de 2012

A primeira vez que eu vi o mar

Tantos anos de espera e lá estava ele na minha frente. O cheiro de maresia já anunciava de longe. Imponente, grande, magnífico, completamente diferente do que eu imaginava. Molhado, salgado e imenso. 
Ouvir o som do mar é como ouvir aquela música que você ama justamente porque ela te acalma, porque te faz sentir bem.
Me senti bem, longe de casa, me senti muito bem.
Não havia sol? Para que sol? Sol eu vejo todo dia da janela do meu quarto. O mar eu vi ali a primeira vez. E como é poderoso. 
Queria poder ficar lá para sempre. Fugir de tudo o que me incomoda, me preocupa. Mergulhar profundamente e fazer parte dele, para sempre, do mar!






Como uma onda no mar

Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia. Tudo passa, tudo sempre passará.
A vida vem em  ondas como o mar num indo e vindo infinito.
Tudo que se vê não é igual  ao que a gente viu a um segundo. Tudo muda o tempo todo no mundo.
Não adianta fugir, nem mentir para si mesmo agora. 
Há tanta vida lá fora. Aqui dentro, sempre.
Como uma onda no mar.



Lulu Santos


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Insônia



s. f.

Ausência ou falta de sono. 



Por que eu perco sono?

Motivos tenho muitos ultimamente. Começarei pelos básicos: horário de verão, pernilongos e calor insuportável.

Agora os intermediários: Ficar prolongando na Internet, trabalho de faculdade e vontade de postar no blog depois de quase mil anos.

Senhoras e senhores, com vocês os assuntos complexos que tiram o sono:
  • Fim da faculdade chegando, bicho da banca pegando, tcc rolando... tá foda! Uma agonia, vontade de acabar logo, um medo de dar tudo errado, um alívio se der tudo certo e um vazio no final das contas. Não sei explicar. É um sentimento muito estranho, afinal, foram 4 anos da minha vida! O que fazer depois disso? Uns querem casar (André), outros querem fazer uma pós (André também), outros querem continuar trabalhando felizes e satisfeitos como já estão e, por isso, pagar umas matérias que ficaram pendentes. E eu? Nem imagino! Às vezes acho que quero ficar no chão em posição fetal...
  • TCC! Que coisinha complicada. Confesso que tô cagando de medo disso. Tudo que escrevo me parece um lixo. Vejo a banca me detonando... Me vejo falhando e diante disto, perco a vontade de viver! Chessuis! Tem tanta coisa para fazer em tão pouco tempo... Será que vamos conseguir? E a apresentação? Será que a banca vai nos devorar? E a torcida contra com sua energia carregada? Vai ser maior que nossa fé, mandingas e patuás???
  • Desemprego! Tomei a decisão de deixar meu emprego estável para arriscar alto. Sofri, penei, ri, chorei, passei raiva, fiz amizades, conheci gente, ganhei dinheiro, mas acabou. Agora estou sozinha, por minha conta e... desempregada! Aí vem a confusão do tipo "não sei se caso ou compro uma bicicleta". Quero um emprego na minha área - JORNALISMO - mas aí pinta outra coisa. Aí não sei se pego essa outra coisa e ganho mais dinheiro ou se aproveito este tempo livre para me dedicar ao tcc. O foda é que preciso de dinheiro, afinal tenho ainda mais 2 boletas da faculdade para pagar... Pois é, faculdade para pagar... é aqui que eu penso "Será que fiz a escolha certa? Porque não pinta nada..." De fato, eu jurava que neste momento já estaria empregada na minha área. Me enganei totalmente... E eis que surge a maior das dúvidas, aquela que tira o sono hoje, amanhã e sempre:
  • Que tipo de profissional sou eu? Eu presto? Será que sou boa? Se sou, por que ninguém quer me contratar? Será que é meu gênio ou "meu problema de relacionamento"? Será que não soube usar meu network? Será que sou tão incompetente assim? Será que devia ter "me jogado com tudo" nos estágios? Deixado de fazer trabalhos ou ir à aula para me dedicar a eles? Afinal, quem sabe assim eu seria contratada... Será que tudo que fiz foi errado? Será que sou preguiçosa? Meu texto é ruim? Não demonstro interesse? REALMENTE NÃO SEI! 
Tudo que sei no final das contas é que não consigo dormir, os pernilongos me picam continuam a zumbir no meu ouvido, tá um calor insuportável e já são quase 3 horas de manhã...

terça-feira, 26 de junho de 2012

Best Of You


Melhor de Você

Eu tenho outra confissão a fazer
Eu sou o seu tolo
Todos têm correntes para quebrar
Segurando você
Você nasceu para resistir?
Ou para ser abusado?


Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?
Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?


Ou você se foi e virou outra pessoa?


Eu precisava de um lugar para me enforcar
Sem o seu laço
Você me deu algo que eu não tinha
Mas que não teve uso
Eu estava fraco demais para desistir
Forte demais para perder
O meu coração está preso de novo
Mas eu me libertarei
Minha mente me oferece vida ou morte
Mas eu não consigo escolher
Eu juro que nunca vou desistir
Eu me recuso


Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?
Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?


Alguém tirou a sua fé?
É real a dor que você sente?
Sua confiança?
Você deve confessar
Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?


Alguém tirou a sua fé?
É real a dor que você sente?
A vida, o amor, você morreria para se curar
A esperança que dispara o coração partido
Sua confiança?
Você deve confessar


Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?
Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?


Eu tenho outra confissão, meu amigo
Eu não sou um tolo
Estou ficando cansado de recomeçar
Em um lugar novo
Você nasceu para resistir ou para ser abusado?
Eu juro que nunca vou desistir
Eu me recuso


Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?
Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?


Alguém tirou a sua fé?
É real a dor que você sente?
Sua confiança?
Você deve confessar


Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?
Alguém está tirando o melhor
O melhor, o melhor, o melhor de você?


Foo Fighters

sexta-feira, 22 de junho de 2012

As flores do mal - Legião Urbana



Eu quis você
E me perdi
Você não viu
E eu não senti
Não acredito nem vou julgar
Você sorriu, ficou e quis me provocar
Quis dar uma volta em todo o mundo
Mas não é bem assim que as coisas são
Seu interesse é só traição
E mentir é fácil demais
Mentir é fácil demais
Mentir é fácil demais
Mentir é fácil demais
Tua indecência não serve mais
Tão decadente e tanto faz
Quais são as regras? 
O que ficou?
O seu cinismo essa sedução
Volta pro esgoto baby
Vê se alguém lhe quer
O que ficou é esse modelito da estação passada
Extorsão e drogas demais
Todos já sabem o que você faz
Teu perfume barato, teus truques banais
Você acabou ficando pra trás
Porque mentir é fácil demais
Mentir é fácil demais
Mentir é fácil demais
Mentir é fácil demais
Volta pro esgoto babye vê se alguém lhe quer


Renato Russo

quarta-feira, 20 de junho de 2012

O que aprendi nestes últimos 3 anos e meio de faculdade... atualizado.



· Aprendi que “quem pensa sozinho é doido”,
· Que não foi o Raslan quem disse que “quem pensa sozinho é doido”,
· Que os ET’s fabricam um milagroso elixir,
· que se você quer se “dar bem”, fique na cola do cara mais inteligente,
· que se você quer “puxar o saco” de um professor tentando mostrar serviço ((que você copiou do cara mais inteligente)), tem que esperar ao menos que ele faça a pergunta antes de responder,
· que a FUNEDI/UEMG tem “ê-meio” e site ((olha que bacana!)),
· que a assessoria de comunicação da FUNEDI pode ser muito sarcástica quando questionada,
- que a assessoria de comunicação da FUNEDI fica em frente ao viveiro,
· que ser coordenador do laboratório de rádio pode afetar sua sanidade mental,
· que ser estagiário do laboratório de rádio pode afetar sua sanidade mental,
· que sou ridícula e a Nina “esguincha” veneno,
· que o silêncio de certos alunos é algo valiosíssimo, mas impossível de acontecer,
· que o argumento final de uma discussão sobre prazos finais de provas e trabalhos é pendurar uma mochila nas costas e um artigo de 10 laudas,
· que viagens a Sabará são infernais,
· que trabalho+estágio+faculdade=morte cerebral,
· que no curso de Comunicação Social estágio de recepcionista também vale,
- que no curso de Comunicação Social estágios vem e vão, mas apenas um continua,
- que no curso de Comunicação Social os estágios devem ser coordenados e deve-se elaborar relatórios de tempos em tempos, pena que só aprendi isso depois que concluí meus estágios, 
· que os blogs Protótipo/Outsider nunca terão recorde de acessos,
· que o Nova Holanda é longe pra caralho,
· que a Festa da Cerveja é muito frequentada por pagodeiros e que o espaço Cocuruto é frio pra cacete,
· que existe um evento chamado Jedicon,
· que professores da FUNEDI estão liberados para faltar se não receberam e então não tiverem grana para a gasolina,
· que não se deve deixar enganar NUNCA por uma professora que parece insegura durante as primeiras aulas,
· que fazer Comunicação Social é fazer voto de pobreza,
· que colocar apelidos nos professores é a coisa mais natural já que eles são tão “apelidáveis”,
· que fazer trabalho em Ermida pode ser tenso,
· que um movimento de mão é “desnecessário”,
· que a faculdade me deixa mais mal-humorada,
· que a FUNEDI é frequentada por cachorros,pombos, cavalos, macacos... enfim, a fauna é grande,
· que aulas no NEAD aumentam os acessos ao twitter,
· que aulas no NEAD são uma “roubada”,
· que não existe criança/pré-adolescente mais insuportável do que a menina do churrasquinho,
· que dá pra fazer churrasco de coelho, mas que tem que consumir rápido, pois sua carne é muito perecível,
· que se pode namorar ((às vezes casar)) com alimentos em conserva e ursos de desenho animado,
· que existem “brechas no sistema” do xerox e da lanchonete do bloco de baixo,
· que Hamburguete com refri todo dia engorda, ficar sem comê-los engorda também,
· que viagens de van podem ser divertidamente traumáticas ((ainda vou descrever tudo o que aprendi na van)),
- que é possível deixar sua dignidade de lado para ganhar uma carona ou um desconto na van,
- que vans não podem estacionar no estacionamento,
· que a mensalidade pode aumentar mesmo sem o aumento da carga horária,
- que um requerimento para baixar o preço da mensalidade desaparece no ar,
· que o dinheiro da FUNEDI é gasto em cigarros,
· Censurada!
· que é proibido fazer festinha no laboratório de rádio,
· que o “ê-meio” da turma de Comunicação é na verdade um fórum de discussão ((e toma discussão)),
- que quando o e-mail deixa de ser fórum de discussão, o grupo no facebook vira sessão de desabafo e reclamação, e de vez em quando, zona,
· que Cachorros “digenvolvem” para Bezerros,
· Que dormir na casa dos outros deixa o cabelo oleoso,
· Que vinho com sorvete não rola,
- Que "Chalana" bebe e embebeda,
- Que guacamole é bom e chili mais ainda,
· Que travecos e patas são perigosos, principalmente na facul,
· Que cavalos andam livremente pela facul, ((éguas também)),
· Que existem “princess” que são umas FDP,
- Que até as "princess" que são umas FDP a faculdade consegue destruir,
· Que a Nina se transforma em Hulk,
· Que a faixa de Boas Vindas é mais velha que a Bats,
- Que tem gente pensando em fazer um outdoor de despedida,
· Que cada um tem sua carteira,
· Que professores esquecem a bunda antes de entrar na sala ((outros esquecem os peitos também)),
· Que “pau de virar tripa” pode dar aula,
· Que Chiuauas, Barbies, Pais de Santos, Chauís e outros seres também dão aula,
· Que você poder ser o Washington Olivetto da W/Brasil que o Fred coloca defeito no que você faz ((Até mesmo se ele próprio fizer)),
· Que coordenadoras dos laboratórios possuem irmãs gêmeas ((separadas na maternidade)),
- Que os trabalhos mais complicados são os que valem menos,
· Que existem papagaios louros gêmeos,
· Que o menino do xerox tem uma bundinha boa. Kkkkkkkkkk ((essa não foi a Ju quem pôs, que fique claro!)),
· Que a FUNEDI oferece amoras grátis ((uma coisa pelo menos, neh?)),
· Que o posto de informação nunca funcionou,
· Que a casa rosa, tesouraria e outros escombros são ocupados por dinossauros nada inteligentes,
· Que as SS deviam explodir,
- Que os CS também,
· Que deficientes precisam ser atletas lá,
· Que não se pode assinar chamada pros outros,
· Que existe uma “arvorezinha do amor” que é circundada de Boobassaurus,
· Que se formam grandes amizades no ambiente da faculdade, tão fortes que se fundem numa “panela”,
- (Mas) Que amigos, amigos, trabalhos de faculdade a parte,
- Fazer pauta (finally!),
- Que baba é um veneno que mata, não quem tá babando, mas quem tá vendo a baba escorrer morre de raiva,
- Que se paga quase R$ 900,00 de mensalidade e se corre o risco de trabalhar para receber R$ 700,00,
- Que a homofobia tá aí,
- Que Divinópolis é terna e esse tema é éterno,
- Que deve-se tomar cuidado para não rir na cara do professor,
- Que o Curso de Jornalismo é uma questão de... Questões,
- Que quando o professor abre espaço para discussão do cronograma, isso significa que a palavra final será dele,
- Que comunicadores não sabem se comunicar,
- Que bancas desbancam,
- Que artigos enchem o saco,
- Que o TCC pode matar,
- Que é bom o orientador lê-lo um pouquinho,
- Que reciclar é bom ((hehehe)),
- Que 4 anos podem ser divertidos e sofridos ao mesmo tempo,
- Que eu não vejo a hora de acabar,
- Que depois que acabar, não faço ideia do que vai ser,
- E acho, veja bem, acho, que eu e a Nina descobrimos o que estamos fazendo aqui juntos...


Plagiei esta ideia de duas pessoas, do Felippe que começou com isso na forma de um slide no "ê-meio" da turma e do Guh, que me ajudou a concluir e arrematar nossas "apreensões" nestes 3 anos e meio de faculdade. 
Quem quiser complementar, fique a vontade.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Saudosismo faz bem?


Hoje estou saudosa. Senti saudade de tudo, de pessoas, de épocas, de coisas. 
Vi fotos antigas, li postagens antigas, assisti Bonanza... Tudo isso para preencher o vazio de um início de noite no qual eu queria dar um tempo aos trabalhos da faculdade. Mas percebi uma coisa: estar longe de certas pessoas faz falta, não passar uma raivazinha faz falta... Daí divaguei e comecei a pensar no quanto minha vida já mudou e no quanto ela ainda vai mudar. Não sei o que vai acontecer no ano que vem, mas sei que vou sentir falta de muitas coisas. Só espero que meus inícios de noite não sejam assim. Quero sentir saudade, mas sem bater o desespero de que não tenho mais uma coisa. Quero sentir aquela "pontada" de saudade no meio do peito, mas não ter vontade de chorar. 
Quero guardar tudo no coração e agradecer aos bons momentos. 

Amo vocês, pessoas e vocês sabem quem são! 

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Cem anos. Comemorar? Eu?





Divinópolis completou 100 anos no dia 1º de junho. 

E daí?

Cabe aqui uma analogia: A cidade do Divino tá que nem a gente quando fica velho, começa a capengar e quanto mais velho, mais problema de saúde tem. Divinópolis está doente! E por mais que seja clichê-tá aí o exemplo da saúde. Um grande hospital quase fechando as portas devido a "tretas". Agora imagina, se o setor de saúde não dá conta da cidade, que dirá da região?! Que dirá sem vários leitos que estão sendo desativados neste hospital... Mas ainda tem o presente que a cidade me deu, aliás, que está me dando desde o final do ano passado. Roubo no local de trabalho, roubo na casa do namorado, roubo na minha casa, roubo na casa do namorado comigo lá... 


Obrigada, Divinópolis! De coração! Obrigada administração divinopolitana. Limparam o "carrapateiro"? Ao menos sabíamos onde estava o perigo. Hoje ele está em TODO LUGAR, na minha casa, inclusive, com toda a minha família dormindo. Com certeza o número de invasão de domicílios nunca foi tão grande. A polícia fez algo a respeito? Não. Nunca divulgaram nenhuma estatística, mas a minha casa e de meu namorado está lá, entre outros anônimos. A imprensa disse algo sobre isso? Nem sugestão de pauta ajudou, nem entrevista cedida. NADA! Parabéns, Divinópolis! Vamos comemorar no rodeio! As pessoas não sabem nem comemorar. Não fui ao parque de exposições e não iria nunca de domingo para segunda, pois teria que trabalhar no dia seguinte. No entanto, fui agraciada com a surpresa da invasão domiciliar e, para completar, ao chegar em casa após perder uma noite de sono, topo com um distinto escornado no corredor do meu prédio. Morador de lá, novo, uns 20 anos. 

Mais uma vez, princesa do Oeste, felicidades!

segunda-feira, 12 de março de 2012


Eu tinha tudo! Bom, não tudo, mas tinha muito do que precisava. Estava no estado que se pode chamar de "quase lá". Paz no trabalho, um bom estágio que me garantiria um futuro. Planos! Eu tinha planos! Coisa que nunca tive coragem de fazer antes...

Mas, como tudo muda em questão de segundos, mudou tudo. Me tiraram o chão, a segurança, os sonhos e... os planos.

Me sinto triste e vazia ao pensar que daqui há 14 dias faço 28 anos e não tenho nada! E o pouco que tenho, vejo esvaindo... Perdi as esperanças, perdi a força. A fé tá por um fiapo.

Não quero perder o que me resta, mas me sinto fraca para lutar. Já passei por períodos assim e superei, espero superar mais este, no entanto, não sei como. 

Fico pensando se hoje sou mesmo diferente do que era antes. Diferente, não melhor. Longe disso. Talvez mais intensa... não sei. Às vezes tenho a sensação de que, na verdade, é tudo uma máscara e no fundo eu sou exatamente a mesma menina medrosa, boba, tímida e estagnada. Tudo me amedronta, me assusta, me paralisa. A única diferença é que não posso mais correr para os braços de minha mãe pedindo proteção. Agora sou só eu com o mundo, com as sombras, com o inimigo que muitas vezes sou eu mesma.

Meu medo maior não é meu futuro. É o meu futuro sozinha. Meu egoísmo, minha insatisfação podem acabar por afastar aqueles que ainda gostam de mim e me querem o bem.

Respiro fundo. Eu tinha tudo ou quase tudo que precisava para "chegar lá". O que tenho hoje? Minha vida. E é vivendo que vou conhecer o meu futuro.


quarta-feira, 7 de março de 2012

Balanço... ou coisas


A semana começou quente, ou devo dizer, o ano começou quente e está pegando fogo.
Vou resumir a vocês algumas situações e sentimentos destes últimos dias.

Proposta:
Toda a urgência e boa capacidade será recompensada! Eis, finalmente, uma notícia boa, mas que infelizmente já entra direto para a lista de "Como resolver?". Eu definitivamente não sei. Conto com os amigos.

A fragilidade da vida:
De uma tacada só me vi às voltas do pesadelo/destino certo do fim da vida. Tinha um tempo que não pensava nisso... Mas, não interessa se você teve 13 filhos e viveu muitos anos, ou se você tem poucos anos e apenas uma filhinha, ou ainda se começou sua vida montando uma família depois dos 40... Estes exemplos, assim como eu e você que está lendo este post irá um dia. A questão é estar preparado e o que/quem você vai deixar.

Uruca:
Como já dito, 2012 tá fácil não. Não queria acreditar em pragas e urucubacas ou qualquer outro tipo de energia negativa que possa surgir, mas o fato é que tô carregada graças à cruzada ((em vão)) que estou enfrentando. Tá foda! Dá vontade de desistir de tudo e esconder embaixo da cama, mas não acho justo! Não mesmo! Conheço muito bem as minhas capacidades e sei o meu valor. Se continuar assim, vai ter que rolar uma escolha...

Ânimo:
Nenhum! Quase nulo! Descobri que ficar em casa é bom! Que assim posso fazer trabalhos da faculdade, dormir, até almoçar eu posso agora! Mas e aí? E daí? Isso tá certo? E ir para a faculdade tá um suplício só. Não vejo a hora de acabar, pode ser que me arrependa de dizer isso ((pode ser que não)), mas não tô dando conta mais. Tudo me irrita. Desgastou, perdeu a cor, o gosto, o cheiro. Agora sou zumbi ali...

Ah, e tá chovendo lá fora!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Entre dúvidas e insatisfações



2012 era para ser doce... era! E já era! O ano já começou em turbulências e promete ser assim até o fim. Triste, pois trata-se do meu último ano na faculdade e parece ser o mais triste e sofrido, não pelas despedidas e tccs, mas por se tratar de um ano repleto de insatisfações. Insatisfações estas que geram dúvidas, dúvidas quanto as opções que fiz. E me refiro a todas! Desde o curso, passando pela instituição até o serviço de Van. Tropeços no caminho foram vários, como quase um ano e meio desperdiçado ((incluindo fins de semana e feriados)) com algo que não aproveitarei em nada e que não foi supervisionado. Aliás, a falta de informação permeou estes 3 anos. Não tinha noção de relatório de estágio, de quantidade de tempo de um estágio, ou até mesmo a quem recorrer em caso de tais dúvidas. 

As dúvidas permanecerão, até porque ninguém parece disposto sequer a abrir um diálogo ou até parar para pensar e perceber que há algo de errado, de muito errado, e este ano que deveria ser "O ano", se tornou "O pesadelo" e junto a isso, mais e mais dúvidas. Agora, também, do tipo: como pagar a faculdade, participar ou não da formatura, persistir? Desistir? Confesso que já não tenho mais forças para acreditar. Tudo conspira contra e a descrença vai tomando conta e isso faz de você uma pessoa cada vez mais cínica e mais amarga. É triste ver todos os planos que você fez indo por água abaixo e os responsáveis permanecerem alheios a isto, como se nada estivesse acontecendo... 

Espero que ao menos o direito a insatisfação não seja tolhido!

Epic