quinta-feira, 4 de julho de 2013

Humildade com H maiúsculo e dourado.



Hoje tive uma conversa com um colega de trabalho sobre humildade. Tive que concordar com ele no quesito de que falta humildade nas pessoas ao nosso redor, justo àquelas que se acham, devido ao lugar que ocupam em uma determinada hierarquia, incapazes de levar o lixo para fora e deixam para um funcionário subalterno. 

É claro que não vamos ver executivos de alto escalão levando o lixo para fora, ou limpando suas mesas, mas, sei lá, ainda acho que é uma questão de, como disse o colega de trabalho, "respeito ao ser humano". Querida, (argh!) você também tem duas mãos, o lixo está devidamente embalado, você fará o mesmo trajeto que todos os outros funcionários na hora de ir embora, até dar a hora do último funcionário sair, tenho certeza que mais nenhum volume de lixo será produzido, então... por que não pode levar a porra do lixo para fora? Por que você não pode atender a porta? Ou lavar os copos? Claro que tudo isso foi um exemplo para falarmos de humildade. 

Ainda questionei com o colega que o pior, para mim, é achar que só porque você representa alguém superior dentro da hierarquia, não quer dizer que todos os outros estejam abaixo de você e que eles não representem nada além de... digamos... lixo?! Tipo: eu sou superior a você porque (acho que) sou superinteligente, ou mais bonita e gostosa ou... rica. Fomos todos criados iguais, e se você (acha que) tem alguma qualidade, com certeza terá defeitos e se uma pessoa tem suas falhas, (que surpresa!) ela também tem qualidades em outros quesitos. Ninguém é melhor que ninguém!

Por outro lado, já vivenciei também o oposto. Alguém estaria, abaixo na hierarquia querendo bancar o mesmo nível de superiores (que nem eram tão superiores, mas estavam ligados aos mega superiores). Esta pessoa queria se vestir como eles, ir aos mesmos lugares e ocasiões (incluindo de trabalho) com eles, queria ter os mesmos affairs com os mega superiores (?). E sabe o que era pior? Ninguém destratava essa pessoa (ou quase ninguém), tratavam ela com respeito e paciência (até demais), mas isso nunca era o suficiente. Ela queria o alto escalão, ela queria os compromissos políticos e reuniões, as viagens praianas, frequentar as mansões dos mega superiores... 

Na verdade não cheguei a nenhuma conclusão aqui. Eu só continuo concordando com o colega de trabalho que o essencial é respeitar o outro enquanto ser humano, ou como seu semelhante. Se você não quer ser destratado, não destrate o outro. Se você quiser ser compreendido e ajudado, faça exatamente o mesmo. No final das contas nós vamos para o mesmo lugar (não vou entrar em questões religiosas ou espirituais aqui), vamos para debaixo da terra...



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Epic